Pedais clipados e sapatilhas realmente melhoram o desempenho no MTB?


Sapatilhas e pedais clipados são quase unanimidade no mountain bike, principalmente nas modalidades Cross Country XCO e XCM. Utilizar sapatilhas é prática comum e quem usa há um certo tempo muito raramente volta aos pedais plataforma. Até escrevi um artigo aqui no blog sobre o jeito certo de posicionar os taquinhos das sapatilhas de MTB.

Porém deixando o costume de pedalar clipado com sapatilhas de lado e dando um olhar mais científico ao assunto, podemos fazer um questionamento que talvez nem passe pela cabeça da maioria de nós: Afinal, as sapatilhas melhoram mesmo o desempenho no Mountain Bike?

Será que nós não usamos sapatilhas só porque todos também usam? Já fomos honestos mesmos e pensamos “talvez é melhor pedalar desclipado”? Será mesmo que “pedais plataforma são só para iniciantes e para quem faz Downhill”?

É isso que investigaremos hoje.

PRESTE ATENÇÃO: Não estou tentando convencer ninguém de que pedais com sapatilha são pior ou melhor que pedais comuns plataforma. Esteja disposto a mudar seu pensamento em relação às sapatilhas e tenho certeza que vai aproveitar esse artigo. Tentei me aproximar ao máximo da ciência e fugir do achismo.

Os prós das sapatilhas

sapatilhas-mtb Pedais clipados e sapatilhas realmente melhoram o desempenho no MTB?

Como muitos sabem, os benefícios de se andar com sapatilhas geralmente estão associados à:

  • Estabilidade do pé no pedal – não fica escorregando
  • Possibilidade de dar o up stroke: a famosa “puxada” de pé para cima
  • O clip “obriga” nosso pé a ficar na posição correta
  • A vantagem de pular obstáculos dando uma leve puxada com os pés

Quase todos nós quando começamos a utilizar sapatilhas já nos espatifamos no chão porque paramos e esquecemos de desclipar, mas isso é um leve preço que se paga.

Fim de discussão, certo? A estabilidade está lá a custo de uma queda lateral de vez em quando mas que vale a pena pois todos sabemos que isso melhora nossa potência no pedal… certo? Errado!

Desde quando usamos pedais clipados?

spd-pedal Pedais clipados e sapatilhas realmente melhoram o desempenho no MTB?

Muito provavelmente se você começou a praticar o ciclismo no Brasil – seja no MTB seja no ciclismo de estrada – depois de 2010, você não passou mais de meses sem sapatilhas e os pedais clipless.

Para se ter uma ideia, a última vez que uma grande volta foi vencida por um atleta utilizando pedais de plataforma foi na Vuelta a España de 1988, por Sean Kelly. Já se passaram quase 30 anos! Desde então o sistema da Look para estrada e SPD para Mountain Bike são partes indissociáveis do ciclismo.

Está curtindo esse post? Então curta também a fanpage no Facebook.

 

Continuando…

E como sabemos, quando se vê atletas de ponta utilizando uma tecnologia, todos passam a adotá-la – por razões óbvias, já que são eles que procuram o ápice da performance.

Da mesma forma como aconteceu com o capacete ciclístico – artigo raro no ciclismo até os anos 80 – com as sapatilhas e os pedais clipados não foi diferente. Se todos os atletas utilizam, por que não utilizaríamos, não é?

Mas afinal…

… andar clipado e com sapatilhas aumenta a potência no pedal?

A resposta para essa pergunta é sempre algo como “o pedal clipado transfere melhor a potência da pedalada para a bike”. Pois a real resposta para essa questão pode ser chocante e talvez algo que você não esperava.

Muitas pesquisas científicas já foram feitas mostrando que na realidade há pouca diferença entre a potência de pedalar com sapatilhas e sem sapatilhas. O pessoal da GMBN fez um teste controlado em laboratório  repetindo o método dessas pesquisas para demonstrar se os pedais clipados transmitem mais potência mesmo ou isso é somente uma crença que se popularizou:

(Se você não quiser assistir o vídeo todo por ele estar em inglês ou simplesmente por ser um pouco longo (9min) eu explico o resultado para vocês abaixo)

Foram realizados dois testes. O teste A buscava simular uma situação de intensidade moderada onde o ciclista pedalou em uma esteira primeiro com sapatilhas e depois sem elas em 2% de inclinação e a 27 km/h.

Já o teste B simulava uma situação de alta indensidade física, onde o ciclista pedalou na esteira primeiro sem sapatilha e depois com 8% de inclinação a 20 km/h.

Para comparar a utilização dos pedais clipados com a utilização de pedais comuns sem sapatilhas, os seguintes índices foram medidos:

  • Frequência cardíaca média
  • VO2 máximo
  • Nível de ácido lático no sangue

Os resultados não foram o que o pessoal da GMBN esperava – e para ser bem sincero, foi o que me motivou a escrever esse artigo aqui. Logo no teste A a coisa começou a ficar estranha. Os pedais clipados ficaram na frente por muito pouco. Quase empatados.

Como se isso não bastasse, no teste B, onde foi dado maior ênfase à questão da potência e força, os pedais plataforma foram mais eficientes em todos os critérios: A frequência cardíaca foi mais baixa, o consumo de oxigênio menor e houve menos concentração de ácido lático.

Conclusão

ciclista-pedalando-pedais-clipados Pedais clipados e sapatilhas realmente melhoram o desempenho no MTB?

Isso é muito importante para nós, ciclistas. Sim, o vídeo acima não tem uma amostra grande o suficiente para determinar que pedais plataforma são melhores que pedais clipados. Porém mostra que talvez nós pedalamos com sapatilhas simplesmente porque todos usam então nós também usamos…

Como vimos acima, os pedais clipados podem sim ser mais eficientes em longas distâncias. Porém se você quer atacar aquela trilha e sempre sofre no XCO para passar por trechos mais técnicos, ou quer simplesmente se divertir mais com uma MTB, comece a se desprender da ideia de que pedais plataforma não prestamo caso você não se sinta a vontade sem eles.

PS: Muita gente escreveu mensagens (do mais profundo ódio) dizendo que eu estou louco e que pedais clipless são muito melhor.

Para ser muito sincero, eu mesmo não troco meus pedais clipless por nada. Me sinto “pelado” sem eles e sem minhas sapatilhas. Acho mais gostoso a sensação de que estou preso aos pedais.

Porém muita gente, em especial iniciantes, não se sente confortável com eles. Esse post veio ao mundo só para mostrar que ninguém TEM QUE pedalar clipado. Estamos entendidos? Eu mesmo uso sapatilhas.

PS2: Um pessoal também me perguntou qual pedais eu uso. São os Shimano M505. Comprei eles nesse link aí. São bem comuns, mas excelentes.

Enfim, com ou sem sapatilhas, tenha bons pedais!

  • Carlos Gubio

    No meu caso eu senti uma diferença enorme após clipar em relação ao tempo gasto em todos os seguimentos, porém sinto incomodado tendo q pedalar em uma só posição.

    • Bom dia, Carlos.

      Verdade. Faz uma diferença enorme mesmo. Eu mesmo dificilmente tiro meus pedais clipados.

      Abraços!

  • Murilo

    Olá, tenho uma pergunta? meu pedal não é plataforma, nem de clipe, ele tem um apoio para a ponta do pé que eu acho super útil, nesse caso ele se iguala ao Clip ou o Plataforma? ou ainda nenhum dos dois? (sou novo no MTB)

    • Olá, Murilo.

      A sensação que você sente seria uma híbrida entre dois, acredito.

      Abraço

  • Luan Bernardi

    Creio que houve um equívoco no final do texto, onde se lê: “comece a se desprender da ideia de que pedais clipados não prestam”, não seria o contrário? Comece a se desprender da ideia de que somente os pedais clipados prestam. Abs.

  • Wagner De Carlo Zeferino

    Pedalei por muitos anos com aquela “focinheira” na speed e depois no MB. Gosto de estradas rurais e trilhas e atualmente estou usando sapatilhas clipadas. Não volto mais para o pedal plataforma. A segurança que sinto numa descida compensa os eventuais sustos.

    • Realmente, Wagner

      A sensação de segurança é imbatível. Eu mesmo não voltaria atrás. Porém como muita gente se sente inseguro com os clipless, fica aí uma constatação de que talvez não seja o fim do mundo caso não queira migrar para as sapatilhas.

      Abraços

  • Henrique.A

    “Em trilhas um pouco mais técnicas, os pedais clipados parecem tirar um pouco da habilidade.
    Em uma situação de queda eminente, há muito pouco a ser feito a não ser cair no chão da maneira menos doída possível”

    Pode tirar o “nos” dai que isso é só pra você amigão.
    Habilidade?? queda?? ja ouviu falar em memoria muscular ? quando se faz muito uma coisa que seu corpo começa a faze-la sozinha é o caso do clip, meu pé sai na mesma velocidade do que saia no pedal de plataforma.
    O escritor deve ser algum iniciante não é possivel e ele não colocou todos os pros e inventou contras absurdos, a matéria tem um tema bom mas perdi meu tempo lendo tudo ja havia pensado tempos atrás e o tempo só me provou que esse teu pensamento (um dia ja pensei assim) estava grotescamente errado!!!

    • Elton

      Sou novato no esporte mas também discordo plenamente do autor do artigo. Primeiro, sim, porque “todo mundo usa”… em se tratando de esporte, e levando em conta o competidor (principalmente) “caça”, como ninguém, a melhoria de sua performance, seria, no mínimo estranho, imaginar que todos estejam equivocados, inclusive aqueles assessorados por equipes formadas por profissionais multidisciplinares e especialistas. Segundo, porque senti (e sinto, já que vez por outra faço testes), uma diferença enorme ao pedalar “clipado”.

      • Opa, Elton!

        O último campeão do Enduro Series chamou atenção por não usar pedais clipless em sua bike. Então talvez não seja bem assim.

        Seria estranho mesmo imaginar que todos estejam equivocados. Eu mesmo não tiro minhas sapatilhas por nada. Porém se um campeão mundial do Enduro Series usa plataforma, já começa a haver uma mudança de paradigma.

        Esse artigo serve muito mais para um iniciante não se sentir forçado à mudança.

        Abraços!

    • Bom dia, Henrique

      Concordo plenamente contigo. Na hora que a cara já está mais perto do chão que do guidão, nada pode ser feito rsrs.
      No quesito “queda” não há vantagens para o plataforma caso se trate de um ciclista experiente.

      Quanto sua constatação de que sou um iniciante, posso te garantir que não é o caso heheh.

      Os prós do clipless estão alí acima. E sabe mais? Eu mesmo não trocaria meus clipless por plataforma nunca! Porém há muitos iniciantes por aí que não se acostumam com as sapatilhas, e que talvez não usá-las não seja o fim do mundo.

      Abraços!

      • samuel munck

        Curti muito sua delicadeza em responder o Henrique… eu teria sido menos civilizado, não por discordar em absoluto, mas porque ele usou um tom grosseiro desnecessário…

        mas voltando ao pedais em si – tem duas coisas que pesam em favor de cada um dos pedais: o plataforma é sim mecanicamente mais eficiente, é uma questão de biomecânica, uma vez que explora a “quadradeza” natural da pedalada – “pedalar redondo” é um mito ainda mais arraigado…

        mas acho que em trechos técnicos o pedal de encaixe permite um melhor controle da bike, eu já caí por escorregar o pé ou perder o pedal num salto… o pedal de encaixe me dá mais dois pontos de contato pra “puxar” a bike.

        abraço e parabéns pelo site, estou lendo várias matérias e gostando bastante… muito acima do blog vendido do marketeiro de brasília (vc deve imaginar de quem falo!)!

        • Fala, Samuel,

          Pois é. Tem que ser civilizado sempre. São leitores como vocês que fazem o blog. Desse modo, tenho que sempre ser respeitoso mesmo que o comentário seja em tom de ataque. Fico contente que você notou essa intenção em minhas palavras.

          Quanto ao seu segundo ponto, o de controle, concrdo plenamente – sem demagogia rsrs. Eu mesmo não trocaria um pedal clipless por um plataforma. Não pretensão em aumentar minha potência no pedal rsrsrs.

          Obrigado pela comparação. Sei muito bem sim do que você está falando hahaha. Vou continuar o Aventrilha indefinidamente sem anúncios para que eu possa dar minha opinião sempre de forma honesta.

          Valeu pela mensagem, Samuel. Ganhei o dia hahah

          Abraços!

  • Joubert

    Gostaria de saber se com o pedal de clip poderia ter evitado o meu acidente onde eu subi uma calçada sem querer fazendo com que a bike me lançasse pra fora do pedal perdendo o equilíbrio pois usava um pedal plataforma, o pedal clip proporciona essa segurança?

  • Paulo

    Bom o que sinto ao pedalar clipado e segurança e muita estabilidade no pé, fico mais firme pedalo melhor e com mais agilidade e potência, mas esbarro em quesitos como área urbana onde os carros predominam em situações fica difícil o uso deles pelo fato da remoção e nas trilhas sinto que em determinados locais sem eles o rendimento é melhor, portanto uso pedais com clip os 520 com plataforma e com eles por serem mistos me sinto menos inseguro em determinadas situações e driblo os acasos desta forma, mas não largo os clips que garanto ser muito mais eficazes que os plataformas em determinadas citações e vice e versa.

  • sebastian

    Então, só dois adendos:
    1. o tal do upstroke é mito, tem pesquisas mostrando que o ganho de potencia no upstroke é nulo. E há evidencias de que seja até perigoso, podendo aumentar o risco de lesão.
    2. o que faz diferença no clipado são duas coisas: o pé fica fixo numa posição que deveria ser a ideal pra pedalada (diminuindo risco de lesões), e por conta da sapatilha ser mais rigida, há um menor desperdicio de potencia devido ao flex do pé.

  • Cara eu sempre pensei assim, será que é bom mesmo ou é puro modismo? Mas de uma coisa eu tenho certeza, quando uso a sapatilha, tirando os riscos de quedas eu e a bike nos tornamos um só. ali grudadinhos um ao outro…

  • Malu Seixas

    Adorei! Pedalo há quase dois anos; já experimentei sapatilhas, mas tenho medo, principalmente dos tombos. Não achei difícil me adaptar com elas, mas prefiro meu pedal plataforma. Depois dessa matéria, não vai mais ter aquele ” e se…”

    • Hahaha legal, Malu.

      As vezes ficamos naquele pensamenteo “mas se todo mundo está usando…”. Que legal que vc pensa dessa forma.

      Abs

  • uso sapatilhas desde 2013, tive um otimo rendimento, mas a questão de potencia concordo plenamente, pois em trilhas e subidas que a tração da bike é comprometida o psicologico influi bastante com o medo de cair e não conseguir desclipar, quanto a distancia e subidas em que o piso é bom a sapatilha não tem pra ninguem, inclusive nas descidas onde o pe fica estabilizado em cima dos pedais!!!

  • Leônidas

    A sua postagem foi imparcial aos resultados, teve uma boa ênfase e uma tese sustentável pela pesquisa, um contexto bem claro e resumido e uma finalização fantástica.
    Obrigado pelos esclarecimentos, e concordo, no quesito “cada um pedala como se sentir melhor”.
    Eu achei que meus pedais renderam mais, melhorei meu tempo, com pedal clip e sapatilha, porém estou com tendinite no ligamento da facia lata. Será por causa do pedal clip? Ainda não sei.

  • Fausto Régis de Carvalho Moreira

    Legal o artigo! É sempre um tema polêmico e que desperta as paixões! Eu mesmo olhava pra sapatilha como uma relação de amor e ódio no início. Hoje, quase que só amor mesmo!
    Acho que o que o vídeo mostra faz sentido. O mito de puxar o pedal já caiu por terra há algum tempo. Contudo o estudo analisou apenas potência. Os outros pontos a favor da sapatilha, tais como ergonomia e segurança durante o pedal, sobretudo em descidas técnicas no mtb (experimente descer um trecho técnico em dia de chuva com plataforma…) devem ser considerados e penso que fazem muita diferença a favor do clip.
    Parabéns pelo artigo e pela página!

    • Tem razão, Fausto.

      Não há razão para usar clipless se o motivo for potência. Agora, olhando pelo lado da “dirigibilidade” da bike também tenho uma relação só de amor!! hahaha

      Abraços e obrigado!

  • MAURO ALVES

    Cara, sensacional teu artigos! Tenho 43 anos e pedalo urbano (trabalho e laser) a mais de 20 anos. Nesses últimos 2 anos passei a me interessar pelo pedal técnico, e comecei comprando uma bike MTB com certos dotes. Deixei minha companheira Houston de anos, de R$ 123,00 apenas para ir na padaria e para laser com o filho mais novo. Já aprendi muito e já possuo um nível avançado em pedal de asfalto e trilha. Agora, eu até hoje pedalo de sandálias! Ganhei o apelido de “padre” por causa disso. Claro que não sou competidor, nem profissional do pedal, mas tenho um bom rendimento, e acho super confortável pedalar de sandálias. Uma coisa que me leva a achar que nunca irei pedalar clipado, é porque pedalo tanto com o meio do pé quanto com a dianteira do pé, é uma coisa que faço que me dá conforto e bom rendimento! Quando preciso de potência para manter a velocidade em aclives pedalo com a dianteira do pé (tanto sentado quando em pé), sem carga pedalo com o meio do pé, bastando te o cuidado de começar a utilizar o dianteiro do pé um pouco antes do aclive para aquecer.

    • Boa noite, Mauro!

      Quero dizer… Boa noite Padre! Hahahaha adorei essa história. Pois é. Ciclista é um tipo difícil de dar o braço a torcer. Bagunçou um assunto que estamos acostumados e pronto, a discussão começa.
      Achei seu relato muito interessante. Vou até usar de exemplo num post futuro ou numa palestra que venha a acontecer. Acho que somos todos muito diferentes fisicamente para dizer que “TEM” que pedalar de sapatilha e clip. Sua mensagem só vem dar ênfase nisso.

      Forte abraço, Padre!

  • JC

    Curiosamente eu sempre pedalei com pedais de plataforma. Uns meses atrás coloquei pedais de encaixe, noto diferença nas subidas mas infelizmente dado os trambolhões que já dei, perdi confiança a descer. Ou seja, subo mais rápido mas desço muito mais devagar e até mesmo com ela às costas.
    Sou de Portugal.

    • Olá, JC

      Pois é. Pode ter estes efeitos colaterais…

      Que legal. Você tem muitos conterrâneos lendo o blog Aventrilha também. 10% da audiência é daí.

      Forte abraço!

  • Ricardo Padovan

    Bom dia, esta leitura foi indicada por um amigo e vou olhar como um profissional da área da saúde e esportes.
    Algumas considerações devem ser feitas, “eu” gostaria de ver estas avaliações em outro formato de protocolo de avaliação, pois é notório que o ciclista apenas emprega o predomínio de sua força no quadriceps(músculo anterior da coxa) empurrando o pedal para baixo, e sua cadência(rpm) é baixa, e para fechar não houve fadiga no teste( nota-se de acordo com a dosagem baixa do lactato) o que nos leva a pensar que essas condições a que foram propostas na avaliação foram responsáveis pelo resultado!!!

    Discussão:
    Como seria o resultado se trabalhássemos mesmo sem eletromiografia, mas ao menos com cadência de 100rpm, e até apresentar fadiga, ou até à exaustão???

    Um abraço a todos, e boas discussões só elevam o nível de conhecimento!!!

  • Volnei Lavarda

    Muito bom o artigo. Ando com MTB há dois anos. E um com sapatilha. Nunca consegui me sentir confortável, seja nas subidas ingremes como nas descidas. Lendo este artigo resolvi fazer o meu teste e fui correr em segmentos do strava que contém meus melhores tempos. Sem a sapatilha fui mais rápido em todos eles. Pra mim, bati o martelo, de agora em diante vou sem sapatilha. Já participei de uma prova sem sapatilha e fui bem.