O que é um Canote Hidráulico e por que (quase) ninguém o usa no Brasil?

Canote hidráulico. Já ouviu falar? Mesmo que sua resposta seja sim, muito provavelmente deu pra contar nos dedos a quantidade de mountain bikes que viu por aí com um desses.

Primeiro de tudo é bom explicar o nome do item não e só canote hidráulico. Muitos também consideram o nome correto de canote retrátil ou ainda canote ajustável (não entrarei nessa discussão) e esse  é um dos ítens de mountain bike que faz menos sucesso no Brasil.

Chamado de droper seatpost em inglês, é raríssimo encontrar um biker na trilha com um desses. Mas antes de ir mais a fundo nessa diferenciação, deixe-me explicar o que é o mais popularmente chamado canote hidráulico.

O que é um canote hidráulico?

É isso aqui:

canote-hidráulico O que é um Canote Hidráulico e por que (quase) ninguém o usa no Brasil?

O que ele faz? Ele se retrai. Esse excelente vídeo (inglês) do pessoal do GMBN mostra exatamente essa retração  explicando a tecnologia:

Por que ele se chama hidráulico? Pois é uma das formas de sistema de compressão para esse tipo de canote. Há já os eletrônicos – até mesmo wireless – e também os mecânicos.

Como funciona um canote hidráulico?

Bem, a melhor comparação que posso fazer para explicar como ele funciona é a de uma cadeira giratória de escritório: Você se senta, solta seu peso e puxa a alavanca para ela descer. Para ela subir é só soltar o peso e puxar a alavanca novamente. Exatamente igual no canote hidráullico. Nesse caso, contudo, ao invés de uma alavanca é a trava/botão no guidão, como do lado direito da foto.

trava-canote-ajustável O que é um Canote Hidráulico e por que (quase) ninguém o usa no Brasil?

Aí você já vê o porquê dos outros nomes do bicho: canote retrátil ou canote ajustável. Chame como você quiser. Não vou entrar nesse debate. “Mas pra que ele serve? E por que eu realmente nunca ví um no pedal?” Vamos por partes. Mas antes curta a fanpage do Aventrilha no face:

 

Como o canote hidráulico surgiu?

Ahhh o século 21… Os anos de 2000 a 2010 foram uma verdadeira revolução no mundo do mountain bike. Começamos o milênio pedalando com bikes de aço, com aro parede simples, v-brake, aros 26 sem uma excessão sequer e com uma diferença bem clara entre o que era o cross country e o downhill.

Essa diferença entre as modalidades era ainda mais gritante no Brasil, onde o cross Country, ao contrário do resto do mundo, se resumia a pegar estradão de terra batida. Enquanto isso o downhill era julgado como algo de gente maluca que pulava precipícios sem medo da morte – muito por conta de malucos do MTB Free Ride como Josh Bender:

josh_bender O que é um Canote Hidráulico e por que (quase) ninguém o usa no Brasil?

Os anos foram passando e vieram as bikes de aro 29′ e 27,5′, o freio a disco hidráulico de qualidade, suspensões boas, pneus com compostos muito melhores entre outros avanços. Se aproveitando disso, os praticantes de cross coutry pelo mundo começavam a passar por trilhas cada vez mais técnicas.

Se você mostrar para alguém do mountain bike nos anos 90 o circuito de XCO que foi utilizado nas Olimpíadas ele ia te jurar que era uma prova de downhill. Na verdade seria algo até mais extremo que o downhill dos anos 90. Tenho um post aqui no blog mostrando como era o Downhill nos anos 90. Vale a pena conferir.

Ou seja, isso mostra como o esporte evoluiu e como a linha do XCO com o Downhill se aproximava uma do outra. Dessa aproximação nasceram os estilos/modalidades a seguir:

O Enduro/All Mountain

Vídeo com cenas massas de enduro:

Uma das mais famosas competições de Mountain Bike Enduro do mundo é a Mégavalanche, que acontece na França todos os anos em Julho. A corrida é insana e você pode ver trechos da Mégavalanche aqui.

Talvez não saiba quais as diferenças entre XCO, Enduro, All Mountain, entre outros – que você pode descubrir nesse artigo explicando as diferenças aqui do Aventrilha. Basicamente o Enduro (Ou all mountain, dependendo do ponto de vista) é algo que se aproxima do downhill mas que também possui trechos longos onde o mountain biker tem que pedalar no plano e até subir.

As bikes de downhill já não eram tão úteis para esses planos e subidas enquanto as de XCO não eram tão seguras e ágeis. Então essas belezas aqui começaram a surgir:

Santa-Cruz-Nomad-11 O que é um Canote Hidráulico e por que (quase) ninguém o usa no Brasil?
Santa Cruz Bicycles/Gary Perkin

#SonhoDeConsumo! Uma bike de Enduro. Ah, repare que essa bike já vem com canote hidrálico instalado!

Aqui estamos chegando no cerne da questão. Já viu como no downhill o banco fica baixinho para que o ciclista possa descer com muito mais controle? E que no cross country o banco fica muito mais alto para que ele possa exercer mais força no pedal?

O enduro / all mountain precisa dos dois desses mundos. Banco alto pra subir e banco baixo pra descer. Precisava-se de um canote que descesse e subisse sem precisarmos soltar a blocagem toda vez que fôssemos ajustá-lo.  Aí a receita do bolo estava dada para as montadoras: o Canote Hidráulico!

Por que quase ninguém usa no Brasil?

1-Ele não é um item barato: Um canote de qualidade como o Rock Shox Reverb na dimensão 380mm por 31.6mm é vendido no varejo brasileiro por mais de R$2 mil.

2-Ele não é fácil de ser encontrado avulso: Já reparou que no Mercado Livre você acha tudo? Dá pra achar Moeda da Letônia de 1932 e até máscara do Osama Bin Laden. Mas digita lá Canote Retrátil, Canote Ajustável e Canote Hidráulico pra você ver… Pouca demanda = pouca oferta

3-A grande parte dos MTBikers brasileiros só anda em estradão: Escreví um post recentemente comentando sobre o porquê dos brasileiros em geral andarem tanto em estradão e tão pouco em trilha. Mas o que isso tem a ver com esse artigo sobre o que é um canote hidráulico? A resposta está no próximo ítem:

O canote hidráulico é útil para mim?

Responda sim ou não para essas perguntas:

  1. Você pedala só em estradão de terras?
  2. Você pedala XCO em nível altamente competitivo onde peso faz toda a diferença?
  3. Você só pratica downhill?
  4. Você faz trilhas subindo e descendo por trechos bem técnicos?
  5. Você curte os posts do Aventrilha?

Se sua resposta foi sim para a 1 , 2 e 3, então não: o canote hidráulico muito provavelmente será inútil para você. Em estradões de terra a útilidade dele é nula, a não ser que você viva numa região com estradas BEM íngrimes e  esburacadas. Ok… talvez não TOTALMENTE inútil, mas pra que pagar R$2 mil num ítem utilizado as vezes?

Já se você respondeu sim para a 4 então há grandes chances de você já ter ouvido falar sobre o que é um canote hidráulico ou até usar um atualmente. Ele é extremamente útil para quem se enquadra na pergunta 4 pois na descida ele simplesmente sairá do caminho, deixando você livre para esticar-se pra trás e abaixar seu centro de gravidade. (vide Enduro / All Mountain)

Update 12h03: enquanto esse post ia ao ar o pessoal da Bike Radar lançou um vídeo chamado “Canote fixo ou Canote retrátil: qual é o mais rápido para XC?Vale a pena conferir apesar de estar em inglês!

“Mas, Fernando, eu realmente respondí 4. Eu devo comprar um?” Serei sincero: eu nunca usei. Mas praticamente todas as bikes enduro / all mountain no exterior vem com essa configuração de fábrica. Muitas XCO estão vindo também. Isso indica que o público tem gostado. Se tiver uma (grande) grana pra dar um up na bike, eu consideraria fortemente comprar um canote hidráulico.

Agora, se você disse sim para a 5 então o melhor a ser feito mesmo é se inscrever na newsletter do Aventrilha logo abaixo e receber artigos exclusivos sobre mountain bike em seu email!

 

  • David

    Eu tenho um da marca FOX modelo D.O.S.S e eu adoro, não imagino mais pedalar sem. Ajude bastante nas trilhas mas estradão em descida também.
    Hoje mesmo no XCO eles usem (Julien Absalon e outros) e algum quadros XC já vem com tudo pronto por a instalação do canote hidráulico.

    • Fala, David!

      Tem razão. Com o nível de dificuldade das provas de XCO aumentando, futuramente veremos MUITOS bikers do cross country com o canote retrátil.

  • Dor Almeida

    Quem usa um desses nunca mais quer ficar sem…. ele realmente faz a diferença. inclusive na segurança de quem ainda não tem muita habilidade nas descidas, até mesmo em estradão….

  • Alexandre Krieck

    No Brasil já temos provas de Enduro como exemplo o BES(Brasil Enduro Series), é impossível ser competitivo numa prova destas sem o canote hidráulico. Pratico Enduro à 4 anos, neste período o numero de adeptos vem crescendo muito.

  • Rafael

    Tenho um é posso dizer: tão elementar quanto um bom equipamento. A bike vira outra, uma vez que você muda o Centro de gravidade com a mudança do canote. Indico a todos e quando usar nosso voltará ai fixo. Belo artigo.

  • Jonas Rocha

    bom seria fabricar esse canote com 400mm pois só encontro 350mm e no meu caso costumo usar todo limite do meu canote que tem 400mm por isso ainda muita gente ficou de fora

  • Jonas

    Pra quem não faz questão de canote bonitinho,caríssimo e da moda,procure por canote T Mars no ebay.
    Custa entre 70 e 80 dólares e funciona e não tem nada de ar nem óleo pra ficar dando dor de cabeça.
    Só uma manutenção num Reverb pode custar mais que esse T Mars.

  • Com esse canote posso com a mesma bike rodar na pista de pump track, xco, xcm, enduro e até dh leve!
    tenho uma specialized fuze.

  • Sergio Trindade

    Tive um Canote Rock Shox Reverb que dava problema todo mês. Comprei Thompson desses da foto há 2 anos e nunca tive problemas.Contudo, algum dia sei que vai precisar de manutenção. Mandei uma mensagem para a assistência técnica perguntando se haveria um kit de manutenção ou local para fazer aqui o serviço. Eles disseram que eu tenho que mandar para os E. Unidos para fazer a manutenção. Ou seja um procedimento inviável que sai pelo preço de outro de outra marca, inclusive sujeito a tributação. Alguém sabe como solucionar esse problema?